Literatura, Cultura, Política Portuguesa - LCPP

URI Permanente para esta coleção

Literatura, Cultura, Política Portuguesa

BORGES FIGUEIREDO, A. [Antonio] Cardoso. Logares Selectos nos principais gêneros de discurso prosaico, para uso das escholas. Coimbra: Na Imprensa da Universidade, 1845.

Áreas contempladas: educação (em Portugal e no Brasil, onde a obra talvez tenha sido adotada), literatura, teoria literária (a concepção de literatura a partir dos gêneros), poética clássica, literatura comparada (a presença do classicismo em meio à voga do romantismo em Portugal).

BRANDÃO, Raul. Historia d’um Palhaço (A vida e o diário de K. Mauricio). Lisboa: Livraria de Antonio Maria Pereira-Editor, 1896.

Obra de temática filosófica, a narrativa autobiográfica de Raul Brandão se inscreve no contexto do Simbolismo (sonho, evasão em relação à realidade prosaica). O romance foi posteriormente refundido, sendo publicado em 1926 sob o título de A morte do Palhaço e o Mistério da Árvore , no qual Brandão analisa o mal de la fin du siècle (pessimismo, neurose, obsessão da morte, sentimentalidade mística). Assim, História d’um Palhaço (A vida e o diário de K. Mauricio) seria a primeira versão de A morte do Palhaço , o que torna possível pesquisar as duas obras do ponto de vista da crítica genética e da intertextualidade. Outras áreas contempladas pela digitalização da obra: literatura portuguesa, narrativas do eu, Simbolismo português, romance português.

CASTELLO BRANCO, Camilo. A filha do Arcediago . Terceira Edição. Porto: Em Casa de Luiz Coutinho-Editor, 1868.

A obra digitalizada faz parte das séries Cenas contemporâneas (romances entre 1855- 1856), título que, por seu sabor balzaquiano é eloqüente da evolução realista de Camilo Castelo Branco. O romance, cuja primeira edição é de 1856, tem por contexto o período das invasões francesas com repercussão em Portugal da extinção dos morgadios. Áreas contempladas de pesquisa: literatura portuguesa, Romantismo e Realismo em Portugal, História, romance português. .

A queda d’um Anjo . Edição definitiva revista e corrigida pelo auctor. Illustrações de Condeixa, Heitor & Lallemant . Lisboa/Rio de Janeiro: Campos & Cia Editores, 1887.

A Queda d’Um Anjo , romance satírico publicado em 1866, é uma das mais célebres obras literárias de Camilo Castelo Branco. Nela, o escritor português descreve de maneira caricatural a vida social e política portuguesa do século XIX, com ênfase no desvirtuamento do Portugal antigo. A digitaliza ção da obra atende às áreas de literatura portuguesa, Romantismo português, literatura satírica, História, dentre outras.

CASTILHO, Antonio Feliciano de. Camões . Estudo histórico-poetico liberrimamente fundado sobre um drama francez dos senhores Victor Perrot, e Armand du Mesnil. 2ª. edição copiosamente accrescentada nas notas . Lisboa: Typ. da Sociedade Typographica Franco-Portuguesa, 1863.

Camões , peça dedicada a D. Pedro II, integra o rol de obras (não apenas portuguesas), que tomaram a vida do autor de Os Lusíadas como tema e homenagem. Fato curioso é a composição de Castilho ter sido baseada no aludido “drama francez” de Victor Perrot e Armand du Mesnil, o que permite estudar as duas obras dramáticas no âmbito da literatura comparada, mais exatamente, nos estudos de intertextualidade. Nas notas que acompanham a peça, Castilho informa que Camões foi representada no Rio de Janeiro, em 30 de novembro de 1855, tendo João Caetano no papel principal, o que torna possível a pesquisa a respeito do teatro brasileiro do século XIX, sob a óptica da presença de peças portuguesas nos palcos brasileiros. Além disso, as cartas dirigidas a Castilho, dão notícia a respeito da re presentação da peça (recepção do público, adaptações, elenco, direção, etc). Áreas contempladas pela digitalização da obra: teatro português, adaptação, Romantismo em Portugal.

QUEIROZ, Eça de. Revista de Portugal . Porto: Editores, Lugan & Genelioux, v. I. 1889; v. II 1890; v.III 1890; v. IV 1892.

Fundada em 1889 e dirigida por Eça de Queirós, a Revista de Portugal contou com a colaboração dos mais importantes homens de letras (de Portugal e do Brasil) de seu tempo: Antero de Quental, Fialho de Almeida, Ramalho Ortigão, Moniz Barreto e do próprio Eça, que nela publicou as célebres Cartas de Fradique Mendes. Em 1890, em carta aos leitores, Eça informa que foi preciso “remodelar” o programa original da revista (que pretendia contar apenas com a colaboração de originais portugueses), e recorrer a matérias extraídas de publicações estrangeiras, tendo em vista as dificuldades de colaboração exclusivamente nacional. Saíram desta revista 24 números, que formam 4 tomos de 6 números cada um, circulando de junho de 1889 a maio de 1892. A digitalização dessa importante revista contempla as áreas de Imprensa em Portugal, Revistas literárias portuguesas do século XIX, História, Política, Literatura, Economia (e outras áreas, a partir das matérias publicadas na revista).

Navegar

Submissões Recentes

Agora exibindo 1 - 5 de 6
  • Item
    Camões : estudo historico-poetico liberrimamente fundado sobre um drama francez dos senhores Victor Perrot, e Armand du Mesnil
    (Sociedade typographica franco-portugueza, 1863) Castilho, Antonio Feliciano de ; Perrot, Victor ; Du Mesnil, Armand
    Antonio Feliciano de Castilho (1800-1875), nasceu em 1800, em Lisboa, filho do médico José Feliciano de Castilho e da tradicionalista, devota e monárquica Domitília Máxima da Silva. Aos seis anos, vítima de sarampo, fica irremediavelmente cego. Em sua educação primária, frequenta a Real Escola Literária do Bairro Alto e o Mosteiro de Jesus, aprofundando seus estudos de latim, retórica e filosofia. É de sua adolescência, sob a vista de António Ribeiro dos Santos e de Agostinho de Macedo, que datam os primeiros escritos poéticos. Licenciou-se em Cânones em Coimbra, casou-se e viveu um tempo na Ilha da Madeira e nos Açores, onde dirigiu um colégio, em que estudou Antero de Quental, principal representante realista da polêmica denominada Questão Coimbrã, na qual Castilho envolveu-se posteriormente em defesa do romantismo. Morre em 1875 em sua terra natal, deixando extensa bibliografia.
  • Item
    A filha do arcediago
    (Cruz Coutinho, 1868) Castelo Branco, Camillo
    Camilo Castelo Branco, visconde de Correa Botelho (Lisboa, Portugal, 16 de março de 1825 – Vila Nova de Famalicão, Portugal. 1 de junho de 1890), romancista, cronista, dramaturgo, historiador, poeta, foi um dos autores mais prolíferos da literatura portuguesa do século XIX. Numa sociedade que não dispunha de um número expressivo de leitores, nem os direitos autorais estavam ainda reconhecidos, Camilo teve que escrever muito, razão pela qual é o primeiro escritor português a viver do seu ofício. Em geral, a crítica tem classificado a produção camiliana em duas categorias: a novela passional e a novela satírica de costumes. Dentro da segunda categoria enquadra-se o romance A Filha do Arcediago, primeiro volume das “Cenas Contemporâneas”, subtítulo a indicar que Camilo, tal como Balzac, tinha a intenção de construir, no plano literário, amplo painel da sociedade portuguesa. A primeira edição da obra saiu em 1854, sendo a terceira, de 1868, publicada pela editora de Cruz Coutinho, do Porto. Como de costume, A filha Do Arcediago faz-se apresentar por um prefácio (não assinado por Camilo) no qual a voz autoral, no intuito de captar a credibilidade do leitor, usa do velho chavão ao declarar que tudo o que escreveu foi-lhe “contado por uma respeitável senhora”, que promete elevá-lo “à importância de escritor verídico, num gênero em que todos os meus colegas mentem sempre”. Difícil seria resumir o enredo da novela camiliana, tantas são as digressões e reviravoltas por que passa A Filha do Arcediago, narrativa por meio da qual o autor faz crítica ferina, mesclada de humor e ironia, à sociedade portuense do início do século XIX. A história foi construída com os ingredientes ficcionais que visavam à satisfação do leitor de folhetim: padres amancebados, filhos bastardos, clausura em convento, casamentos forçados, separações e reaproximações dos casais enamorados. Paralelamente ao desenrolar de uma história conhecida do leitor, de que participam personagens-tipo do romance rocambolesco, Camilo incha a narrativa com digressões de caráter metalingüístico, a incidir sobre os recursos técnicos de que o narrador lança mão. Como exemplo, vale citar o capítulo XX, onde se lê: “Vamos encontrar Rosa Guilhermina também casada com Augusto Leite. Sou o primeiro a confessar que o meu romance está caindo muito! Um casamento ainda pode aturar-se no fim do romance [...] ainda um casamento... passe! Mas dois casamentos! É abusar dos dons da igreja, ou romantizar o fato mais prosaico desta vida! Isto em mim creio que é falta de imaginação, ou demasiado servilismo à verdade!”. Outro exemplo é o capítulo XXVII, em que se apresenta a “Relação das pessoas que já morreram neste romance”. Por fim, nos últimos capítulos, o próprio narrador dá por encerrado o seu trabalho, passando o comando da narrativa para as personagens, quando o texto se transforma em romance epistolar: “Agora leitores, o meu trabalho termina aqui. As cartas, que ides ler, confiou-mas a pessoa, que me contou a história. São textuais. Podem ver-se em minha casa, desde até às quatro horas da tarde. Quem as escreve é um pintor, que teve nome no Porto, e pouco tempo furtou à desgraça para cultivar a arte. Quem as recebe é uma senhora, que ainda vive”.
  • Item
    Historia d'um palhaço : (A vida e o diario de K. Mauricio)
    (Livraria de A.M. Pereira, 1896) Brandão, Raul
    Militar, jornalista, escritor, Raul Brandão (Foz do Douro, Porto, 12 de março de 1867 – Lisboa, 5 de dezembro de 193) inicia sua carreira literária em 1890, com Impressões e Paisagens, coletânea de contos de matriz naturalista, que retrata a vida das camadas populares. Sob o influxo do Decadentismo, que começa a circular em Portugal, por volta de 1893, Brandão lança o folheto Nefelibatas, e, em 1896, o livro História dum Palhaço – Vida e obra de K. Maurício, refundido anos mais tarde com outro título - A Morte do Palhaço e o Mistério da Árvore (1926). Publicado pela mais antiga editora portuguesa, a Livraria de Antonio Maria Pereira, História dum palhaço recupera na ilustração da página de rosto – um corvo que voa agarrado a uma caveira – a atmosfera de morte e mal-estar finissecular, representada pela história do palhaço K. Maurício, dividido entre o amor por Camélia, artista mambembe com quem trabalha, e o desejo incontido de morte. No prefácio da obra, assinado por Raul Brandão, o escritor dá a entender que História d’um Palhaço é o resultado da compilação de documentos diversos, papeis deixados por K. Maurício, entre os quais o romance autobiográfico, artifícios que mascararam a intervenção do autor-editor, que quer se passar por copista fiel de textos inéditos. - Decadentismo: É uma corrente artística, filosófica e, principalmente literária, com forte ligação com o Simbolismo e o Impressionismo, que tem Baudelaire como precursor, e que nasceu na França como reação contra o Naturalismo, numa época - o fim de século -, marcada pela descrença no progresso e na felicidade humana, o que deu origem ao tédio e à busca por sensações mais fortes, conseguidas na extravagância, morbidez e requintes formais.
  • Item
    A queda d'um anjo
    (Campos, 1887) Castelo Branco, Camillo
    Camilo Castelo Branco, visconde de Correa Botelho (Lisboa, Portugal, 16 de março de 1825 – Vila Nova de Famalicão, Portugal. 1 de junho de 1890), romancista, cronista, dramaturgo, historiador, poeta, foi um dos autores mais prolíferos da literatura portuguesa do século XIX. Numa sociedade que não dispunha de um número expressivo de leitores, nem os direitos autorais estavam ainda reconhecidos, Camilo teve que escrever muito, razão pela qual é o primeiro escritor português a viver do seu ofício. Em geral, a crítica tem distribuído a produção camiliana em duas categorias: a novela passional e a novela satírica de costumes. Dentro da segunda categoria enquadra-se o romance A queda d’um anjo, publicado em 1865, e cuja edição definitiva, revista e corrigida pelo autor, saiu em 1887, pelas editoras Heitor & Lallemant, de Lisboa, e Campos & Cia, do Rio de Janeiro, com ilustrações de Ernesto Condeixa. A dedicatória a Antônio Rodrigues Sampaio, registrada na primeira edição, e a “Advertência da Segunda Edição”, de 1873, foram incorporadas à edição de 1887. Na advertência da segunda edição, Camilo diz-se frustrado quanto à intenção moral da obra: “O autor cuidou, quando escreveu esta novela, que alguma intenção moralizadora se transluzia na contextura da história. Hoje, por lhe haver dito um amigo franco, está persuadido que o seu livro não morigerou; mas também não escandalizou ninguém”. De fato, a moralidade, um dos compromissos da literatura romântica, dá lugar, em A queda d’um anjo, à sátira e à ironia concentradas na figura do herói da novela, Calisto Elói (o anjo, em sentido irônico, referido no título da obra). Rico fidalgo da região de Miranda, Calisto Elói de Silos e Benevides de Barbuda vive apegado ao passado de Portugal, pois que para ele a sociedade em que vive é marcada pela degenerescência social e moral. Leitor contumaz de velhos livros de história, genealogia, literatura dos séculos XVII, clássicos latinos e gregos, o modo de vida e a maneira de vestir-se de Calisto são o retrato de sua visão passadista. Casado por conveniência com a prima Teodora, o casal vive de forma exageradamente regrada uma vida sem divertimentos nem conforto. Eleito deputado, Benevides vai sozinho para Lisboa, quando vem a conhecer uma bela viúva brasileira, por quem se apaixona, passando a viver e a ter filhos com ela. A queda de Calisto Elói manifesta-se no adultério e em outras mudanças de hábitos, ideias e no interesse pela língua francesa e a literatura românticas (antes desprezadas). A drástica transformação por que passa a personagem constitui a passagem do antigo para o moderno, na qual se concentra a dicotomia que percorre a obra, a por em xeque a usual classificação da produção camiliana no interior do Romantismo.
  • Item
    Logares selectos dos classicos portuguezes nos principaes generos de discurso prosaico, para uso das escholas
    (Imprensa da Universidade, 1845) Figueiredo, Antonio Cardoso Borges de
    Figueiredo, Antonio Cardoso Borges de (1792-1878), filólogo, retórico, crítico literário e estudioso da cultura clássica grega. Esta obra, editada pela Imprensa da Universidade de Coimbra, em 1845, o volume inicia-se com um prólogo, que explica o propósito e a importância da obra. Segue-se, então, o início da obra, com o “Primeiro Genero”, o “Discurso familiar”. Ao final, o volume conta com um índice, que indica os tópicos de cada um dos cinco gêneros abordados e suas referidas páginas. A Biblioteca da University of Toronto Libraries, hospedada em Archive.org, dispõe de outros três volumes bibliográficos de A. Cardoso Borges de Figueiredo, entre eles Bosquejo historico da litteratura classica e A geographia dos Lusiadas de Luis de Camões.